Secretaria de Saúde de Pedreira convoca população para vacinar contra a Febre Amarela

A Secretaria de Saúde de Pedreira alerta as pessoas que ainda não tenham tomado a vacina que previne a Febre Amarela que em algumas regiões do país e também no exterior são consideradas áreas de risco para doenças como: Febre Amarela, Sarampo, Caxumba e Rubéola. Neste caso, a recomendação é atualizar a Caderneta de Vacinação antes de viajar no mínimo com 10 dias de antecedência para evitar a infecção por essas doenças.

Todas as pessoas acima de 9 meses deve tomar a Vacina contra a Febre Amarela, que está disponível em todas as Unidades de Saúde, sendo aplicada as sextas-feiras, das 8h às 15h.  

Pedreira através de sua Vigilância Sanitária está autorizada a realizar a Certificação Internacional da Vacina de Febre Amarela, somente para os cidadãos pedreirenses.  Para a emissão da Certificação Internacional da Vacina contra Febre Amarela os interessados devem acessar o site: http://www.anvisa.gov.br/viajante, e realizar o pré-cadastro, trazer este documento impresso, xerox do documento com foto (RG ou Carteira de Habilitação) e xerox de comprovante de residência.

A Secretaria Municipal de Saúde alerta que foram registrados surtos de Sarampo, Caxumba e Rubéola em várias regiões. Dependendo do destino do viajante é preciso tomar alguns cuidados sobre os riscos de adoecer. Por isso, as informações e orientações necessárias para os viajantes devem fazer parte do planejamento de viagem. Algumas medidas devem ser previstas com antecedência como, por exemplo, a vacina contra Febre Amarela, que é obrigatória para o ingresso em alguns países e deve ser tomada pelo menos dez dias antes da viagem. Há também alguns estados brasileiros onde ocorre transmissão do vírus da Febre Amarela, portanto, o viajante deve estar imunizado. A vacina contra a Febre Amarela está indicada para os residentes e os viajantes. Nessas regiões, também devem ser intensificadas as ações de vigilância de humanos, epizootias e entomológica como sinal de alerta para a ocorrência da doença.

Para as viagens internacionais, a vacinação deve ser registrada no Certificado Internacional de Vacinação que é emitido em qualquer um dos postos da ANVISA em Portos, Aeroportos e Fronteiras. Caso tenha algum problema de saúde que contra indique a vacinação, consulte seu médico e solicite um atestado e apresente em um dos nossos postos para emissão do Certificado Internacional de Isenção de Vacinação.

Outras vacinas são recomendadas como medida de prevenção do viajante que se desloca para qualquer país, como a Tríplice Viral (Sarampo, Caxumba e Rubéola) e a DT (Difteria e Tétano) e Hepatite B, e no deslocamento para áreas endêmicas, a Poliomielite e a Influenza.

A principal orientação da ANVISA é que o viajante esteja em dia com seu Calendário Vacinal do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

Ao viajar as pessoas estão expostas a mudanças climáticas, geográficas e culturais, que se refletem em mudanças dos padrões sanitários. Exemplo disso, a conhecida “diarréia do viajante” chega a ser registrada em até 80% dos viajantes em decorrência, principalmente, da ingestão de alimentos, bebidas e água contaminados. A maioria dessa contaminação, 85%, deve-se à presença de bactérias, que causam doenças como cólera e febre tifóide, e 5 % por vírus, podendo também ser provocada por parasitas e fungos em menor intensidade.

Evite alimentos de procedência duvidosa, prefira água tratada industrialmente, filtrada ou fervida. Mantenha-se hidratado bebendo água tratada ou consumindo frutas. Verifique se o alimento é seguro. Evite picadas de mosquitos

Cuidados com doenças transmitidas por mosquitos, quando um indivíduo se desloca para uma área de risco de doenças transmitidas por mosquito (Malária, Dengue, Febre Amarela, Febre do Nilo Ocidental) recomenda-se a utilização de repelentes, mais de uma vez ao dia, nas partes mais expostas do corpo. Além dessa medida, orienta-se o uso de mosquiteiros e de telas

Cuidados com doenças respiratórias, as doenças respiratórias também são consideradas de alto risco para os viajantes.

Atualize seu Cartão Vacinal, evite viajar caso esteja doente ou com suspeita de alguma dessas doenças, durante o período de transmissão. Caso apresente algum sinal ou sintoma de algumas dessas doenças a bordo da aeronave, embarcação ou veículo terrestre em trânsito internacional, reporte-se aos tripulantes para que eles possam acionar os serviços de apoio e autoridades sanitárias do aeroporto, porto ou ponto de passagem de fronteira.

No retorno de qualquer viagem nacional ou internacional, caso venha a apresentar algum sinal ou sintoma (febre, dor de cabeça, mal-estar geral ou qualquer outra alteração na saúde), recomenda-se procurar um médico ou o serviço de saúde, informando os locais por onde viajou, inclusive com as escalas e conexões. Os profissionais dos serviços de saúde são responsáveis por notificar a autoridade sanitária competente no caso de doenças e agravos de interesse à saúde pública internacional.

Lavar sempre as mãos com água e sabão. Em regiões de clima quente lembrar de protetores solares, chapéus e do uso de roupas leves, usar sempre preservativos, prevenindo as doenças sexualmente transmissíveis, incluído AIDS e hepatites. Não compartilhar seringas. Pacientes diabéticos, hipertensos, cardiopatas, pneumopatas e todos que fizerem uso crônico de qualquer tratamento devem levar consigo as respectivas medicações em suas caixas originais. Para viagens internacionais, devem portar as receitas assinadas por médico, com os nomes genéricos traduzidos para o Inglês, em caso de viagens internacionais. Se fizer uso de medicações injetáveis, levar uma justificativa (em Inglês) assinada por seu médico. Não andar descalço, evitar nadar em lagoas e pequenos córregos de água parada, evitando doenças como esquistossomose, além de acidentes com animais aquáticos. Não nadar ou pescar sozinho. Afogamento é causa importante de morte entre turistas. Evitar bebidas alcoólicas e checar bem seus equipamentos, pode evitar problemas.

Quando alugar carro, usar sempre cinto de segurança. Dirigir, de preferência, durante o dia, principalmente se não conhecer as estradas. Manter as crianças no banco traseiro, evitando a principal causa de morte entre viajantes que são os acidentes de trânsito.

Os animais, vivos ou mortos, devem ser evitados devido o risco de transmitirem doenças como a raiva e outras. Caso aconteça algum acidente com animais, o mais correto é procurar atendimento médico imediato. Em caso de febre, lesões de pele, diarréia ou quaisquer anormalidades após a viagem, procure atendimento médico no seu retorno.

Compartilhar

ACESSIBILIDADE

Para navegação via teclado, utilize a combinação de teclas: Alt + [ de atalho]

Atalhos de navegação:

Tamanho da Fonte/Contraste
Por Favor, aguarde...