Pedreira homenageou seus Soldados Constitucionalistas de 1932

Pedreira foi um dos últimos locais onde os Soldados Constitucionalistas se estabeleceram e montaram suas trincheiras. No Complexo Turístico do Morro do Cristo foram abertas trincheiras pelos soldados, entre eles os pedreirenses Arnaldo Rossi, Edu Rossi, Guilherme Filipini, Dr. Euclides Nery Junior e Antonio Spagiari, que lutaram junto ao Batalhão 23 de Maio.

Na manhã da segunda-feira, 9 de julho, feriado estadual, o Grupo Escoteiro Águas Correntes, Polícia Militar, 21º Núcleo de Correspondência de 32, com o apoio da Prefeitura Municipal, realizaram uma homenagem aos Soldados da Revolução Constitucionalista de 1932.

“Neste ano certificamos os alunos que participaram do Concurso de Desenhos do ‘Projeto Revolução na Escola’. Entre todos os trabalhos, foram escolhidos os cinco melhores que foram contemplados com certificados e também ao melhor de cada Escola foi entregue uma medalha alusiva. Os trabalhos estiveram expostos para apreciação dos presentes. Nos meses anteriores foram realizadas palestras nas escolas sobre o tema e a importância da data de 9 de julho, para o povo paulista”, destacou na ocasião Moacir Bueno, presidente dos Escoteiros Águas Correntes.

A homenagem contou com as presenças do vice-prefeito Fábio Polidoro, secretária de Educação Mariângela Rodrigues, presidente do Grupo Escoteiro Águas Correntes Moacir Bueno, diretor administrativo do Grupo Escoteiro Márcio Tavares Pereira, diretor de Operações do SAAE Nelson Antônio Cremasco, presidente do Núcleo de Correspondência de 32 Walfrids Antonio Poloni, comandante do Pelotão da Polícia Militar de Pedreira Sargento Eleotério, além de diretoras e professoras das redes Municipal e Particular de Ensino, alunos, familiares e convidados.

Para o vice-prefeito Fábio Polidoro, não podemos deixar de homenagear os soldados pedreirenses nesta data tão especial para a história do Estado de São Paulo. “Quero em nome da Administração Municipal parabenizar todos os envolvidos na organização desta homenagem”, ressaltou Polidoro.

Na ocasião, foi depositada uma coroa de flores e entoado o toque de silêncio. “Devido à sua localização na Serra da Mantiqueira, Pedreira foi um dos últimos locais onde os Soldados Constitucionalistas se estabeleceram e montaram suas trincheiras”, enfatizou Walfrids Poloni, presidente do 21º Núcleo de Correspondência de 32.

O Diário Oficial de 19 de setembro de 1932, registrou que o tenente Carlos Berenhauser, chefe do serviço de Publicidade da 4ª Divisão de Infantaria, recebeu do Serviço de Publicidade da Imprensa Nacional, o telegrama que se segue, transcrito do Diário Oficial da União, de 19/09/1932.

“Itapira,16 – Urgente – O Estado Maior da 4ª Divisão de Infantaria informa: na frente geral de Campinas o destacamento do coronel Dutra consolidou a conquista da localidade de Pedreira, a doze quilômetros a oeste de Amparo. Nos eixos da via férrea e da rodovia Mogi-Mirim – Campinas, o adversário que, na véspera, se retirara apressadamente para o sul do rio Camanducaia, não mais voltou, mantendo-se também inativo nos demais pontos da frente. Nos outros setores da 4ª Divisão nada houve de notável nas últimas vinte e quatro horas. Um avião inimigo bombardeou, ‘hontem’, Pedreira e Amparo, com fracos resultados. Nossos aviões de caça mandados em seu encalço não mais conseguiram encontrá-lo”.

Compartilhar

ACESSIBILIDADE

Para navegação via teclado, utilize a combinação de teclas: Alt + [ de atalho]

Atalhos de navegação:

Tamanho da Fonte/Contraste
Por Favor, aguarde...